Open/Close Menu Site da Dra. Carolina Ambrogini, Ginecologista e Obstetra em São Paulo - SP, Especialista em Saúde Feminina e Sexualidade, consultório na Vila Olímpia.

Vejam a dúvida de G sobre dor na relação sexual:

G
Boa dia,Carolina.
Numa pequisa pela internet vi o seu blog e queria fazer uma pergunta mais primeiro te conta minha história para que você possa entender melhor.
Tive relação com uma pessoa e depois de passado mais ou menos 3 meses comecei a namorar com outra.
No início era tudo normal, ai passado uns 2 meses descobri que estava com HPV tanto eu como ele fomos a um médico,bom ele não tinha nada,julguei ter pego do primeiro cara.
Depois do tratamento comecei a ter dores na minha relação sexual,tem 8 anos que estou com o mesmo parceiro.Quando comecei a ter dores,fui a vários ginecologista ( inclusive fui em uma há um mês )pois a achava que seria alguma consequência da doença e todas me falam o seguinte:
Nossa,se você não me falasse, nunca iria saber que você já teve.
Ok, ótimo,mas não resolvem meu problema,continuo sentindo dor.
Ai pesquisando casos parecidos na internet,vi alguns depoimentos de pessoas que disseram que após pararem de tomar a pílula anticoncepcional tudo voltou ao normal.Será que pode ser o meu caso? 
Fiz preventivo e um ultrasom ultravaginal e não deu nada,disse que está tudo normal,na verdade no preventivo deu vaginose bacteriana (Gardnerella vaginalis) e no ultrasom presença de líquido livre no fundo de saco posterior, e ela me receitou uma dose única de Astro 500mg para mim e meu parceiro e Gynotran.
Fiz tudo como ela receitou e continuo a sentir dor na relação.
Comprei por conta própria para tomar Fluconazol 150 mg e a pomada Gyno-Icadem, pois percebi um corrimento amarelado.
Será que resolve o meu caso? Pois estou desesperada,não sei o que fazer, sei que não é nenhum fator psicológico,pois não tenho nenhum trauma e amo meu parceiro.

Se puder me ajudar, te agradeço.


Resposta: 
G, para começar é muito importante saber onde você sente dor. É na entrada da vagina? É na barriga quando está rolando a penetração? Saber isto é importante, pois as causas mudam e os tratamentos também. 

Pelo que você descreveu, a dor começou após um tratamento de HPV que suponho ter sido na parte externa dos genitais, na vulva. Para estes tratamentos, são usados alguns ácidos que podem deixar a região genital mais “sensível”, como se ativassem a inervação da região. Se for este mesmo o caso, o nome técnico é vestibulodínea, ou seja, uma dor crônica na entrada da vagina.

Para se comprovar isto, é importante fazer um teste simples, chamado teste do cotonete, onde o ginecologista pressiona algumas áreas desta região com um cotonete e observa onde você sente dor e a intensidade desta dor. 

Infelizmente, os ginecologistas são pouco familiarizados com este teste aqui no Brasil e costumam tratar dor na relação como se fosse uma infecção, sem melhora, como no seu caso. Seria importante você procurar alguém que fosse especializado em sexualidade.
Impossível dizer o tipo de tratamento sem um exame físico e sem os dados deste teste. 
Você também perguntou do uso de anticoncepcional hormonal e sim, também podem causar vestibulodínea, mas antes de parar de usar é importante esta avaliação para saber se ele realmente pode ser o culpado.

Existem algumas opções de tratamento, dependendo de cada caso. Podem ser com cremes tópicos a base de hormônios ou com medicamentos tópicos utilizados para dor crônica e ainda com fisioterapia. 

Você frisou muito que a causa da sua dor não é psicológica, acredito em você, mas entenda que qualquer dor crônica tem sempre um componente emocional, principalmente porque você já vai para a relação com a expectativa da dor. 
Você sabe antecipadamente que vai doer, então como uma resposta de defesa, contrai a musculatura peri-vaginal, o que faz doer mais ainda….e o ciclo se repete…

É importante dizer que para qualquer tratamento de vestibulodínea, sempre deve haver o que chamamos de terapia de desensibilização, já falei disto aqui, mas resumidamente, envolve exercícios com a penetração de próteses penianas com calibres progressivamente maiores para você se reacostumar com a sensação da penetração e ir relaxando a musculatura aos poucos. 

Infelizmente, querida, sua dor não vai passar miraculosamente da noite para o dia, precisa de tratamento especializado e paciência porque é todo um processo.  Minha dica: procure um centro de sexualidade.

Boa sorte!

2020 © Carolina Ambrogini

Website gerenciado por Meu Consultório Digital

Siga-me nas redes sociais
InstagramWhatsApp