Open/Close Menu Site da Dra. Carolina Ambrogini, Ginecologista e Obstetra em São Paulo - SP, Especialista em Saúde Feminina e Sexualidade, consultório na Vila Olímpia.

Dúvida de M: Dra. Carol, boa tarde! Tenho endometriose e gostaria da sua opinião sobre formas de melhorar a dispareunia, o vaginismo e consequentemente o intercurso ( claro, além do tratamento médico e psicológico)? Acunpuntura e fisioterapia do assoalho pélvico ajudam? M.

Resposta: Cara M, obrigada pela pergunta. Vamos começar esclarecendo alguns termos:
– Endometriose: Doença de causa desconhecida em que o endométrio ( aquilo que descama na sua menstruação) se fixa em locais fora do útero, gerando um processo inflamatório nesta áreas, que pode ser causa de dor pélvica e também de dor na relação sexual. 
– Dispareunia: Dor na relação sexual, que pode ser de penetração, no momento em que o pênis vai entrar na vagina, ou de profundidade, quando o pênis já está na vagina e a dor é abdominal. A endometriose é uma causa de dispareunia de profundidade.
– Vaginismo: Contração da musculatura ao redor da vagina que impede a penetração do pênis. Geralmente, o vaginismo vem do “medo da dor”, que faz com que a mulher fique tensa e contraia toda a vagina impedindo a penetração. 

M, no seu caso, a endometriose parece ser a causa da dispareunia que deve ter progredido para um vaginismo, certo? Como as relações sexuais eram sempre dolorosas, o cérebro entende que Sexo= Dor, e num mecanismo de defesa, você contrai toda a musculatura, numa resposta antecipatória da dor e também por medo da dor. 
A primeira coisa é tratar a endometriose, cauterizando as lesões na videolaparoscopia e inibindo a menstruação.
 Endometriose sob controle, você precisará re-educar seu cérebro: Sexo=prazer.
 Você vai ter que reaprender a relaxar. Para isto, precisa ficar tranquila e ter força de vontade.
Antes de qualquer coisa, aprender a respirar e relaxar seu corpo como um todo, depois partir para a dessensibilização. O que é isto? Dessensibilizar a vagina, através de exercícios de consciência perineal (consciência dos músculos da região) para saber quando você está relaxada ou contraída e com penetrações graduais e progressivas. Primeiro o seu dedo, depois próteses penianas de diâmetro progresssivo até chegar no diâmetro do pênis do seu parceiro. Com estes exercícios, você vai perdendo o medo da dor, que fica cada vez menor, porque você vai se acostumando com a sensação de penetração e aprendendo a relaxar.
Se você já consegue ter a penetração e só sente dor (dispareunia), é necessária uma avaliação da músculatura para ver se existem nódulos de tensão que podem ser desfeitos com massagem e outras técnicas. 
A acupuntura pode melhorar a tensão no geral, mas nunca vi ninguém melhorar de vaginismo sem a dessensibilização. Esta técnica pode ser realizada por fisioterapêuta treinada em sexualidade ou por médico que também esteja acostumado a tratar vaginismo.
O Projeto Afrodite da UNIFESP , do qual sou coordenadora, oferece tratamento gratuito para vaginismo e dispareunia. Para maiores informações pelo telefone: 5549-6174 (das 7-16hs, segunda a sexta).
Leia mais sobre vaginismo neste outro post e sobre endometriose aqui.
Faça como M. mande sua dúvida sobre sexualidade, amor e relacionamentos que eu respondo. Veja as regras do Consultório Sentimental.

2020 © Carolina Ambrogini

Website gerenciado por Meu Consultório Digital

Siga-me nas redes sociais
InstagramWhatsApp